16.1.09

Carta a um autor de novela

| Chamuscado por Laritz |

Prezado João Emanuel Carneiro

Eu adoro sua novela. Assisto todas as noites. Gosto, sobretudo, da forma como você cria capítulos sempre cheios de suspenses e reviravoltas. Sabe, querido colega, eu também escrevo. E tenho uma forte queda por realismo fantástico e surrealismo. Justamente por isso, eu tomo a liberdade de questionar algumas cenas de sua trama, que infelizmente chega ao fim. São detalhes pequeninos, mas juro que não entendi:

- No início, Maria do Céu era uma retirante malvada. Matou o pai e foi pro bordel. Por que diabos então ela foi dar à luz perto da família pobre-coitadinha do sertão, dizendo que amava todo mundo que antes esconjurava. E o pior de tudo, em minha modestíssima opinião: por que parir embaixo de uma árvore no quintal da casa da luz vermelha? O Orlandinho não incluiu a mulher no seu plano de saúde?

- Halley fugiu da escola de cadetes, bem no comecinho da novela. Levou uns sopapos da mãe cafetina, foi expulso de casa, fingiu ser gay, deu golpes, viveu às custas da Alícia e sempre demonstrou ser um jovem preguiçoso e ignorante. Como então ele conseguiu se tornar um brilhante executivo e salvar a Fontini da falência, sem curso superior, MBA e, ao que consta, sem mesmo ter o colegial completo?

- Seu Pedro tem algum mal que o faz tremer sem trégua (antes ele tossia muito também, mas creio que o xarope deu conta do recado). Como ele consegue fazer aquele rabo-de-cavalo tão perfeito apesar de tanto tremilique e sem ao menos contar com a ajuda das enfermeiras da clínica de repouso?

- Zé Bob é um simples repórter. Nem a editor-assistente foi promovido. Salário de redação é uma miséria. Ele não consegue nem adquirir um prestobarba para aparar os pêlos da cara. Com que dinheiro conseguiu trocar uma carroça caindo aos pedaços por uma caminhonete caríssima? Comprou no crediário?

- O prefeito não quer mais ser prefeito. Resolve, da noite pro dia, que quem deve comandar a cidade é um ex-pinguço, que roubou o pai para dar para os pobres (sem segundas intenções). Nomeia o cara secretário de alguma coisa e simplesmente cai fora. Será que a cidade é tão fictícia que não tem vice-prefeito nem presidente da Câmara, figuras que normalmente assumem o cargo na ausência do chefe do Executivo?

- Vanderlei é um modesto verdureiro de uma cidadezinha do interior. Não sabe ler nem escrever. Como conseguiu aquela tatuagem moderna e bem trabalhada no braço, se é tão humilde e caipira assim?

- Silverinha era o fiel escudeiro de Donatella. Virou a casaca, perdeu tudo, tomou uma baita cusparada da ex-patroa. Ajudou Flora a destruir a família Fontini. Um belo dia, leva uns cascudos da mãe velhinha, acorda para a vida, vira de novo a casaca e se torna defensor dos fracos e oprimidos. Freud explica?

- Donatella comeu o pão que o diabo amassou com as nádegas sujas. Sofreu todas as cruéis provações de dez encarnações diferentes e perdeu tudo o que tinha e mais um pouco, incluindo o estojo de maquiagem. Quando finalmente fica bonita de novo, um bando de formigas (totalmente desnecessárias, diga-se de passagem) trepa na cauda do vestido de noiva. E ela, sem um pingo de cerimônia e de compostura, arranca o traje caríssimo e passa a festa toda só de combinação (pior seria se fosse uma anágua). Foi alguma metáfora? A cena teve algum significado subliminar ou foi só um chiste com a audiência?

- Flora odeia (ou ama) Donatella. Flora tenta matar Donatella. Flora está foragida. Flora quer se vingar de Donatella. Se desde o primeiro capítulo, Donatella sempre teve medo de Flora, por que então em plena lua-de-mel, depois de quase morrer nas mãos da vilã, ela deixa a porta da casa da praia aberta? O ar condicionado estava quebrado e ela queria que entrasse uma brisa? Ou era para dissipar o cheiro de pum?

No aguardo de esclarecimentos para dúvidas tão existenciais, subscrevo-me.

Atenciosamente,

Lagarta de Fogo

3 comentários:

Mosana disse...

Amiga.. parece eu.. reparo nos mínimos detalhes, meu pai tb é assim e fica indignado.. muias vezes tenho que lembra-lo de que é uma novela.. por isso certas coisas acontencem sem explicações..
Mas quanto as formigas.. juro que pensei haver alguma msg subliminar na parada.. ou uma msg do além.. tipo formigas invasoras do espaço iam dominar o corpo da Donatella e fazer dela o líder das formigas na Terra.. ou ainda que fossem as formigas que fossem salva-la.. tipo as formigam iam morde-la.. a Flora ia atirar nela.. ela ia se abaixar pra coçar as mordidas.. a Flora acertaria no padre.. e voilá.. seria linxada pelas beatas de plantão por ter matado um homem santo.. e no fim as velinhas beatas seriam as heroínas da parada!
Fim.
Kisses

Leonardo disse...

Hahahahahahaha. Não tinha reparado nesses detalhes. Bom, comecei a assistir a novela mais para o fim dela, então......

Mas gostei dos seus questionamentos para o autor. Bom, só em novelas pra isto acontecer.

Pezzolo disse...

q fim levou romildo rosa e arlete? sumiram só porque a angela vieira criticou sua personagem em público?

o pai do filho da emo era o léo? credo, q coisa pesada e mal explicada!

afinal, orlandinho é gay, ficou com a maria do céu, que aconteceu?

ah, o verdureiro analfabeto adora cinema né. aposto que só vai em filmes dublados ou nacionais!

a donatela acabou no apê do zé bob mesmo com um tucson na garagem e 15milhoes no exterior.

e o silverinha? não foi cumplice da flora e do dodi? terminou livre?

quem é o pai do shiva? afinal, quem é diva/miranda/rosana?

ehehehe ficou tudo no ar. o povo noveleiro tá indgnado!

Blog Widget by LinkWithin
Subscribe